FERJ lidera arrecadação em torneio com clubes no vermelho

Um levantamento feito por Matheus Mandy, ex-dirigente do Paduano (que já foi personagem do Quatro Linhas no ano passado ao revelar que o clube só tinha R$ 3,25 em caixa no meio da temporada), ajuda a entender a falência do modelo atual do futebol brasileiro, em que clubes agonizam enquanto as federações não se envergonham em faturar. Derruba também a ideia de que sem os Estaduais os clubes pequenos morrerão.

Bonsucesso, campeão da Série B em 2013, se livrou de prejuízo certo neste ano

Bonsucesso, campeão da Série B em 2013, se livrou de prejuízo certo neste ano

Continuar lendo

Calendário apertado gera alto número de jogos “em casa”

Dias atrás, o comentarista da ESPN Gustavo Hofman citou o termo “saudade” para falar sobre o começo dos campeonatos estaduais. Segundo ele, não houve tempo para que o brasileiro sentisse falta de acompanhar seu clube. Na realidade, não houve tempo para o torcedor saber que saudade era essa durante todo ano de 2013.

Estádios vazios estão virando maioria no futebol brasileiro

Continuar lendo

Sobre a “39ª rodada” do Brasileirão

Última coisa que quero comentar sobre a “39ª rodada do Brasileirão” (prometo não falar sobre o assunto nem mesmo o resultado do julgamento):

Imaginemos duas situações. A primeira, com o Palmeiras brigando para subir da Série B ponto a ponto com o Icasa. Aí, na última rodada, os dois ganham seus jogos e o time cearense sobe. No dia seguinte, surge a informação da escalação de um jogador que estava suspenso, que entrou aos 32 minutos do segundo tempo e teve atuação apagada.

A segunda, envolveria o Flamengo. Depois de perder a final da Copa do Brasil para o Atlético Paranaense, é divulgado que o clube rival relacionou para o jogo um atleta que disputou a primeira fase pelo Itabaiana.

Vocês defenderiam que os infringentes fossem punidos e que seus times não fossem favorecidos, no caso Palmeiras subindo e o Flamengo ficando com o título?

Quem torce para outros clubes, pense em situações semelhantes e resposta.

E outra, antes que comecem a desviar o foco: sou contra o recurso do Vasco, acho que a decisão correta era não ter voltado para o campo.

Só que, todos os 20 clubes que disputaram o Campeonato Brasileiro assinaram o regulamento e aceitaram o Código Brasileiro de Justiça Desportiva como documento que “dissipa” os casos não-resolvidos.  Então, não adianta chorar.

Proposta de calendário para o futebol brasileiro

Na semana passada publiquei aqui no blog um texto em que defendo a extinção dos Campeonatos Estaduais para proporcionar um calendário mais racional para o futebol brasileiro. Em diversos fóruns, a discussão foi quente e produtiva, como o assunto merece. A partir disso, resolvi montar minha proposta definitiva, sem os Estaduais, e com o Brasileirão tomando o ano todo. Você a confere logo abaixo.

Continuar lendo

Dou o braço a torcer. Os Estaduais precisam acabar

Por baixo, uns 2,9 mil jogadores ficam sem clube na maior parte do ano, segundo matéria da Folha de S. Paulo. Clubes e mais clubes ficam inativos de maio até janeiro. O quadro afeta atletas, preparadores físicos, massagistas e roupeiros, em um alarmante caso de desemprego em massa.

O parágrafo acima não é o jeito correto de abrir um texto argumentativo. Não apresento uma ideia. Por outro lado, os dados são, na minha modesta opinião, impactantes demais para não estarem no topo da discussão sobre o calendário do futebol brasileiro. Continuar lendo

Algumas considerações sobre o bizarro Tupi x Aparecidense

O modesto duelo entre Tupi e Aparecidense pela Série D do Brasileirão ganhou o Brasil. Nem é preciso explicar muito, já que quase todo mundo viu o massagista salvando a bola em cima da linha e impedindo o gol que daria a classificação às quartas de final para o time mineiro.

O massagista fez duas defesas impedindo que Ademílson e Henrique marcassem

Continuar lendo

Estragaram a Copa do Brasil

A pergunta é de membro de um fórum sobre futebol do qual participo: “conseguiram também estragar a Copa do Brasil?”. A resposta é sim, e de inúmeras formas, com implicação direta na bola que rola dentro das quatro linhas. De diferentes maneiras é possível que a melhor situação para alguns clubes seja ser eliminado.

Para quem não sabe, o segundo torneio, em importância, do futebol brasileiro, conhecido como “caminho mais curto para a Taça Libertadores”, foi ampliado neste ano. O número de participantes foi ampliado de 64 para 86, e sua duração aumentou de quatro meses para sete, com a final acontecendo novembro.

Palmeiras, último campeão da “antiga” Copa do Brasil

Continuar lendo

Sobre a espanholização, modelo alemão e a reestruturação do futebol brasileiro

A gente fala muito no modelo ideal para o futebol brasileiro. Vivemos a espanholização, temos que copiar o que é feito na Alemanha, muitos dizem. Ok, é um caminho plausível, mas acho que antes de tudo é preciso que os dirigentes do futebol brasileiro (clubes, federações e CBF) entendam que é preciso mudar, para que depois busquemos a transformação que melhor nos cabe. Continuar lendo

Um novo calendário para o futebol do Brasil

Se você acompanha esse blog, já percebeu que o autor anda meio desaparecido. Peço perdão, mas, o trabalho é intenso e além disso, os momentos extras, acabam sendo utilizados, entre outras coisas, para escrever no Rivais do Rio, onde falo sobre o Vasco da Gama. Mas, também não posso negar certo desleixo, afinal, vou fazer agora, a continuação de um texto postado em 13 de agosto de 2009! Por isso, deixo link aqui, pois, é importante para situar sobre algumas considerações (detalhe no lamentável aviso de que, no dia seguinte, haveria essa continuação…hehehe…pior que político!). Continuar lendo